Amor Exigente Começar de Novo: há 11 anos apoiando e orientando as famílias

O Amor Exigente é um programa de auto e mútua ajuda que desenvolve preceitos para a organização da família, que são praticados por meio dos 12 Princípios Básicos e Éticos, da espiritualidade e dos grupos de auto e mútuaajuda que, através de seus voluntários, sensibilizam as pessoas, levando-as a perceberem a necessidade de mudar o rumo de suas vidas e do mundo, a partir de si mesmas.

Desde 1984, o Amor Exigente atua como apoio e orientação aos familiares de dependentes químicos e também para pessoas com comportamentos inadequados. Quando um dependente está internado em uma comunidade terapêutica, a família precisa participar do grupo para poder visitar o interno.

Em Três de Maio, o Amor Exigente está completando 11 anos neste mês de novembro. Sob a coordenação de Irene Szareski, conta com aproximadamente 30 participantes, dos municípios de Três de Maio, Nova Candelária, Boa Vista do Buricá, São Martinho, Independência, Alegria e Horizontina. As reuniões ocorrem todas as segundas-feiras, na sala ao lado da gruta da Igreja Matriz Católica, das 20h às 22h, inclusive nos feriados. Com uma espiritualidade pluralista, é muito importante para a superação dos problemas dos que lá buscam ajuda.

“Quem procura um grupo de Amor Exigente está com problemas? Sim. Eu estava com problemas. Tive contato com álcool e drogas dos dez aos 14 anos, e sequentemente duas internações. Essa vida desregrada durou quatro anos, e com 14 anos veio a segunda internação em uma comunidade terapêutica em Porto Mauá. Mas página foi virada. Acredito muito em um ser superior que me resgatou das cinzas e hoje me sustenta em pé, vivendo a vida que ele me preparou. Eu iniciei minha recuperação, e finalizando meu tratamento, que durou 12 meses, conheci o grupo do Amor Exigente de Três Maio. Neste grupo encontrei uma família, uma segunda casa. Força, foco e fé e um grande círculo de amizades. Devo minha vida a esse grupo, pois fui muito bem acolhido. Estou há cinco anos em recuperação. Para você, leitor, que está lendo esta mensagem: se você tem problemas com álcool e drogas, existe solução. Para mim teve solução. Basta acreditar que dá certo.” Itamir Moura Soares, 19 anos, de Independência

“Parabéns ao grupo! 11 anos se reunindo é uma grande graça! Responsabilidade e discernimento andam junto nesta caminhada. Quem participa do grupo busca um caminho com qualidade de vida, que transforma o programa do Amor Exigente numa proposta abrangente de mudança de comportamento. A busca pelas drogas seria uma forma de preencher um vazio que as coisas materiais não o fizeram. A droga entra como se fosse algo que desse segurança e sustentabilidade a este vazio!” Márcia I. Scartazzini Demo, psicóloga voluntária

“Não conhecíamos o Amor Exigente. Nunca imaginávamos que um dia passaríamos por uma situação dessas. Até que um dia um menino que não conhecíamos passou a viver conosco. E descobrimos que ele não precisava apenas da nossa casa para morar, mas precisava de nossa ajuda, amor e cuidados. Uma ajuda que sozinhos não conseguiríamos. Fomos então aconselhados a procurar o Amor Exigente de Três de Maio. E foi no grupo que encontramos apoio e ensinamentos com pessoas que já passaram ou que estão passando pela mesma dificuldade que nós. Graças a Deus e ao apoio desta ‘família’ que é Amor Exigente, estamos bem e aprendendo mais a cada encontro.” Depoimento anônimo

“Para mim, o grupo é de fundamental importância. Participo há oito anos. Sempre saio das reuniões fortalecida!” Cláudia Denise Vargas Nunes, participante

“Quando eu era criança, tínhamos uma vizinha alcoólatra (ou que sofria com o problema do alcoolismo) e aquela situação me deixava mal. Os outros riam, mas eu não via graça. Eu percebia que aquele comportamento não era normal, saudável ou aceitável. E isso despertou em mim o interesse de entender os motivos, os porquês do alcoolismo. Eu tinha comigo que a causa devia ter algo a ver com algum tipo de sofrimento. Não demorou e tive acesso a material. Em 2002 conheci o programa do Amor Exigente pela Rede Vida e me apaixonei.” Beatriz Jost, voluntária

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *